27 junho 2016

Devaneio


Se eu pudesse, estaria numa casa de praia neste exato momento.

Mas de praia mesmo, sabe? Não tipo casa-urbana-na-praia-da-cidade. Queria daquelas com chão de madeira e varanda com vista pro mar. Meio azul ou verde-água por fora, sem muros e sem perigo por perto. Sem Wi-Fi ou TV a cabo, mas com estantes repletas de livros pra quando quiséssemos - eu e você. Com cheirinho de férias e de café sendo passado bem cedinho de manhã.

Ah, também não dispensaria um biquíni bem bonito. Se pudesse, até mais de um! Nada de maquiagem; cabelos ondulados pelo mar, bronzeado e bochechas rosadas por cortesia do sol. Pés no chão, nos degraus da escadinha da varanda que dá direto pra praia, na areia. Direto, sem chinela. Veria o sol nascer e se pôr quantas vezes conseguisse, sempre extasiada com a paisagem. 
Vestiria sua camisa por cima do biquíni e ficaria assim por um bom tempo. E sabe aquele sofá da sala, em frente à TV que só pega Globo e Record? Me aninharia com você que nem um bebê nele. Melhor: encontraríamos uma posição fetal, como sempre. Leria um dos 50 livros da estante com você quando chovesse, debaixo de um cobertor e bem juntinho pra esquentar. Te faria cócegas incansavelmente até você pedir trégua. Não te negaria beijos e cafunés. Conversaríamos tanto! Sobre tudo e nada, vida e morte. E eu tiraria fotos suas sem você perceber, talvez até dormindo. Na verdade, principalmente dormindo.
Que é o que eu devia estar fazendo agora. Acho que a minha mente resolveu adiantar os sonhos... Mas não custa cruzar os dedos, né?


Aloka, olha quem resolveu aparecer! Estava prestes a dormir ontem quando tive essa vontade de escrever. Acho que é efeito de "A Sereia", da Kiera Cass! Com certeza me inspirei nele. <3

31 janeiro 2016

Dá licença?


Sabe, isso cansa.

Já deve ser a quinta ou milésima vez que tento reler o enunciado da questão sobre Barroco - novamente, sem sucesso.

Como é que é pra eu me concentrar com você invadindo meus pensamentos?

Ah, Gregório de Matos Guerra. Tinha a alcunha de boca do inferno. Mas boca... O formato da sua é tão lindo... E Guerra é o que tá acontecendo aqui na minha mente. Sinceramente, dá pra dar licença?

Se bem que, não, fica... Fica! Quer dizer, primeiro vem. E aí fica pra não sair mais. Quem foi que falou em licença? Só quero licença pra escrever minhas baboseiras. Ridículas, claro, como todo texto apaixonado tende a ser. Mas, ainda que a contragosto, admito: verdadeiras.

Porque meus labirintos mentais apontam pro teu toque, pro teu sorriso, pra um ciúme do próprio ciumento*. Ou da própria ciumenta, nesse caso. Pode me chamar de louca - se já não me acha. Mas a culpa é sua, por ser tão... Você. Tão cativante, tão meu, tão...

Chega. Barroco. Questão 4, letra C.

---------
*referência a "Soneto de Carnaval", de Vinicius de Moraes.

31 dezembro 2015

Êxito mudo

2016 tá chegando e, às vésperas do réveillon, todo mundo para pra pensar no ano que se passou. Fazer retrospectivas, pesar conquistas (e derrotas)... Confesso que não fiquei de fora e, em meio a esse saudosismo todo, considerando realizações e etc, percebi: e as silenciosas?

Entender um assunto difícil, abandonar velhos hábitos, começar um projeto há tempos desejado, aprender (insira um número aqui) palavras novas. Gostar mais de si mesmo, parar de procrastinar, ser mais organizado, bater uma meta pessoal. Mudar de ideia sobre um assunto, viajar sozinho, fazer tarefas que julgava não conseguir. Conhecer pessoas novas, libertar-se do que faz mal, fazer um óculos novo porque aquele já estava muito velho. Reclamar menos, terminar a leitura de um livro,  ser bem-sucedido numa receita nova, reparar mais nos detalhes. Melhorar a escrita, tirar 10 em química, física ou matemática, mais de 800 na redação, receber elogio de um professor. Na verdade, receber qualquer elogio sincero - e fazê-los também.

Todas aquelas coisas entre você e você mesmo, que passam despercebidas pra quem só está à volta. Conquistas que vêm devagar, sem fazer alarde - mas nem por isso subvalorizadas. É equívoco considerar só as partes mais barulhentas, combinado? Não raro, são os pequenos eventos que nos fazem diferentes de como estávamos no ano-novo passado.

E aí, tinha pensado nisso? Espero tê-lo feito parar pra refletir sobre e reconhecer essa parte do seu 2015. E que 2016 seja maravilhoso, com ainda mais conquistas - tanto das quietinhas quanto das mais sonoras! 

07 dezembro 2015

Carnaval fora de época

Sabe, eu nunca achei que entenderia poema de amor.

Até que "Soneto de Carnaval", de Vinicius de Moraes, apareceu na apostila de português. Constatei que estava realmente encrencada.

"Distante o meu amor, se me afigura
O amor como um patético tormento
Pensar nele é morrer de desventura
Não pensar é matar meu pensamento.

Seu mais doce desejo se amargura
Todo o instante perdido é um sofrimento
Cada beijo lembrado uma tortura
Um ciúme do próprio ciumento."

Não, não devia ser. Não podia. O cara tinha acabado de expor em palavras todos os meus pensamentos. Os meus sentimentos.

Porque fala sério, o amor é tosco. Fico agitada e ansiosa - sendo que o garoto tá na sala ao lado.

Não consigo parar de pensar nele, mesmo sabendo que não devia, e até o foco nas aulas fica comprometido.

Faltam só alguns minutos pra gente se ver no intervalo, e ter que soltá-lo por um segundo desse precioso tempo é impensável.

Isso tudo sem citar os beijos. Pensar nisso é um caminho difícil de se reverter, e fico com raiva do meu eu no pensamento por estar revivendo o que não vou poder tão cedo.

Então... Eu poderia negar pra todo mundo que entendia cada pedacinho daquelas estrofes. Mas pra mim mesma? Já era mais difícil. Ok, senhor Moraes, estamos na mesma situação. Eu te entendo, é nós, tamo junto. Só muda que o carnaval já passou. A menos que eu pense como naquela música de Toquinho:

"Se o amor é fantasia, eu me encontro ultimamente em pleno carnaval..."

03 dezembro 2015

Wishlist de natal


Sempre acabo fazendo listinha de natal, e vocês? Apesar de estar muito bem com o que tenho, sempre tem aquelas coisas que, querendo ou não, dá uma vontade de ter. E acabei de perceber que o Ts4 tá até na lista do ano passado! Gente, aloka. Mas o mais legal é perceber que consegui grande parte do que queria antes. Aliás, confesso que acho muito prazeroso montar essa imagenzinha! HAHAH
1. Yours Truly, Ariana Grande / 2. ZION, Hillsong United / 3. Empires, Hillsong United / 4. Alguma Canon-alguma-coisa / 5. Lentes pra celular / 6. The Sims 4 / 7. Quando Tudo Começou - Bruna Vieira em Quadrinhos8. Eu Não Sei Nada Sobre o Amor - Bruna Vieira / 9. It's Not What You Think - Jefferson Bethke

Mas pra ser sincera, as coisas que eu mais quero mesmo são sair, viajar, viver aventuras, passar mais tempo com as pessoas que amo e dar risadas longas e sinceras. Porque é isso que me traz paz. Aquelas pequenas coisas, sabe? Você é assim também? ❤️
Beijo!